Aluno salesiano tem 9 anos e já é autor de cinco livros

Com histórias de superação e cheias de bons valores, o escritor mirim do Instituto Maria Auxiliadora de Goiânia-GO, Alexandre Raizer, de 9 anos, faz sucesso nacionalmente com seus livros. Matéria da RSE Informa fala sobre o talento do jovem autor.

A ideia de escrever livros surgiu de uma forma inusitada. A família estava reunida na varanda de casa, quando a pequena Rafaela reclamou dos seus óculos. Com frequência, ela os deixava na escola. Não queria usá-los.  “Mamãe, papai, não existe nenhuma princesa Disney que usa óculos”, dizia. Neste momento, o seu irmão mais velho, Alexandre Raizer Landim Silva, levantou da mesa e correu para o escritório da casa, dizendo que resolveria o problema da irmã. Sua solução: escrever um livro. Percebendo que o mundo das histórias infantis não tinha mesmo heroínas com problemas de vista, ele criou a fábula “A princesa que usa óculos”.

Assim surgiu o primeiro dos seis livros do autor mirim Alexandre Raizer, aluno do 4º ano do Instituto Maria Auxiliadora de Goiânia-GO. Escrita quando ele tinha apenas 7 anos, a obra ganhou repercussão nacional e hoje ajuda muitas crianças a aceitar e descobrir a importância dos óculos. Alexandre, aliás, adora criar livros para ajudar as pessoas a superar desafios. “Minhas histórias na maioria das vezes são criadas a partir de algum acontecimento ou para ajudar meus amigos”, afirma.

O sucesso de “A princesa que usa óculos” é fruto também do entusiasmo dos pais, Eugênio César da Silva e Luciana Raizer, e da contribuição da escola salesiana. Alexandre escreveu o livro em papel A4. Após a conclusão, os pais se surpreenderam com a criatividade da história e montaram com o filho um livro caseiro, para ser apresentado na escola. “Fiquei surpresa com o título e procurei incentivá-lo e orientá-lo na continuidade de sua ideia. Vários rascunhos foram e voltaram, até que, poucos dias depois, Alexandre chegou à escola com sua primeira versão do livro já digitado e escaneado pelos pais, que sem dúvida foram grandes parceiros e incentivadores”, relata a educadora do IMA, Fernanda Barbosa.

Os pais registraram o livro na Biblioteca Nacional e tentaram espaço na mídia. A história repercutiu nas redes sociais, teve divulgação no Brasil e no exterior. Alexandre e seu livro foram notícia em jornais televisivos e revistas de circulação nacional, como Seleções e Pais e Filhos. O aluno esteve no programa Encontro, de Fátima Bernardes, e a ficou conhecido nacionalmente. Logo a maior casa editorial do Estado de Goiás, a Editora Kelpes, resolveu publicar o livro. Hoje, Alexandre já tem quatro livros no catálogo da editora, ilustrados por ele mesmo, e outros dois em vias de publicação. Em atividade intensa, ele continua divulgando seus livros em eventos literários e faz palestras em outras escolas sobre a importância da leitura.

O autor na escola

Alexandre está no IMA desde o maternal. Nas atividades do colégio, especialmente nos projetos literários, os educadores e os pais viram seu talento amadurecer. Quando cursava a educação infantil, já surpreendia a todos pela criatividade. Com apenas três ou quatro palavras sugeridas nas rodas literárias, criava histórias com sequência e coerência. Seus desenhos também já se destacavam pela riqueza de detalhes.

No ano de 2013, o IMA deu início ao projeto Ciranda dos Livros, com o objetivo de estimular o hábito de leitura e escrita, além de ampliar o vocabulário das crianças. “Durante o desenvolvimento deste projeto, Alexandre foi demonstrando interesse em relação aos autores, ilustrações e texto de cada obra. Ficava ansioso para que o rodízio dos livros acontecesse, para conhecer novas histórias”, conta a professora Fernanda.

A importância do projeto na formação do escritor é hoje reconhecida por Alexandre e sua família, motivo de satisfação para o IMA. “Temos orgulho de saber que este projeto contribuiu para o despertar deste autor  e temos a certeza de que podemos continuar ‘semeando’ em nosso ambiente escolar novos autores, ilustradores, médicos, professores, profissionais que levarão consigo os valores salesianos vivenciados cotidianamente em nossas instituições”, ressalta Fernanda. Opinião esta compartilhada pela diretora pedagógica do IMA, Raquel Sampaio, que acompanha a trajetória do aluno na escola, o comportamento dele em sala e revela suas impressões: “Sempre foi um aluno agitado, que gosta de falar; muitas vezes dando certo trabalho quanto à disciplina.  No entanto, é acima de tudo uma criança inteligente, profundamente preocupada com o outro (vide a motivação de suas histórias) e carinhosa com todos”.

Agora o projeto Ciranda dos Livros completa um ciclo interessante, adotando para leitura os livros de Alexandre. “Ver esse talento florescer no IMA é um presente e poder compartilhá-lo com toda a Rede Salesiana de Escolas, uma alegria”, conclui Raquel.

O universo de Alexandre

A aceitação das diferenças e os valores de respeito e fraternidade são uma constante na obra de Alexandre Raizer. Em “A princesa que usa óculos”, ele cria um mundo de faz-de-conta com monstros, príncipe, princesa e castelo. Tudo para mostrar a importância dos óculos. Depois da grande repercussão na mídia e publicação do livro, os pais contam que têm recebido retornos muito positivos de escolas, educadoras e mães elogiando a obra e relatando o caso de crianças que perderam a vergonha e a resistência em usar óculos após a leitura.  

“Tatá, a princesa de bigode” é fruto de um desafio lançado pela atriz Tatá Werneck no programa Encontro, da Rede Globo, onde Alexandre esteve para falar sobre seu livro. Tatá contou que sofria bullying na juventude por conta dos pelos no buço. Alexandre topou o desafio e criou um mundo onde todas as pessoas, homens e mulheres, têm bigodes. Neste lugar imaginário, nasce, de repente, uma princesa sem bigode. Quando o rei percebe que a filha é diferente, ele a esconde da comunidade por vários anos.

“O mais interessante da história é que ele consegue quebrar aquela visão do diferente, no caso, a mulher de bigode, criando um reino onde todos têm bigodes, inclusive as mulheres. Com isso, de uma forma inversa, conseguiu demonstrar que as diferenças dependem do ponto de vista de cada um. Ou seja, num reino onde todos têm bigodes, o diferente é quem não tem. Ficou muito legal esta visão”, afirma Eugênio, pai de Alexandre.

Há ainda livros como “A viagem dos amigos” e “A princesa que usa óculos II, na luta contra o bullying”, com outras aventuras criativas e muitos ensinamentos. No primeiro, um grupo de amigos foge para uma floresta à procura de um feiticeiro que os transformaria em animais selvagens, mas eles acabam sentindo falta de casa e percebem que não deveriam ter desrespeitado seus pais.  No segundo, Alexandre aborda diretamente o problema do bullying nas escolas. “Alexandre apresenta de uma forma bem clara, simples e objetiva o que é o bullying e o quanto ele é prejudicial a todos, principalmente às crianças”, explica Luciana, sua mãe.

Já estão em fase de edição também os livros “O santo do pau-oco”, em que Alexandre volta ao tema do respeito aos colegas e professores, e “As aventuras de Felipe e Laura”.

Este último, veio de uma situação difícil enfrentada pela sua família com fé e motivação. No ano passado, sua irmãzinha Rafaela foi diagnostificada com leucemia. Seu quinto livro foi escrito para homenagear a médica Dra. Renatta Volu, para agradecer o carinho e a dedicação que ela vem tendo no tratamento de sua irmã e também de outras crianças. Felipe e Laura, os heróis da história de Alexandre, são os filhos da médica.

No blog do autor Alexandre Raizer, disponível no endereço alexandreraizer.blogspot.com.br, a família registra essas e outras histórias, além de entrevistas, matérias, vídeos e fotos do autor.

A palavra do autor

Alexandre Raizer também concedeu uma entrevista ao RSE Informa sobre sua vocação, seus temas preferidos, sua vida de estudante e os planos para o futuro. Confira a seguir.

RSE Informa: Como foi seu primeiro contato com a leitura?

Alexandre: Meu primeiro contato com a leitura foi em casa, com meus pais, que liam muito para mim.

RSE Informa: Qual foi o livro que você mais gostou de ler até hoje? Por quê?

Alexandre: Na realidade, o que eu mais gostei de ler foi toda a coleção do “Diário de um Banana”. Porque eu achei estes livros muito divertidos e com eles eu aprendi novas palavras.

RSE Informa: De onde surgiu a vontade de escrever?

Alexandre: A vontade de escrever surgiu da necessidade de minha irmãzinha ter que usar óculos. Como ela alegava que não existiam histórias de princesas com óculos, então eu resolvi criar uma história de princesa que usava óculos para ela poder usar. Eu gosto de contar histórias para ajudar as pessoas que têm dificuldade de escrever.

RSE Informa: Como é seu processo criativo? Como você cria suas histórias?

Alexandre: Minhas histórias na maioria das vezes são criadas a partir de algum acontecimento ou para ajudar meus amigos.

RSE Informa: A escola e os professores ajudam você a desenvolver seu talento? Como?

Alexandre: Muito, porque foi através da escola que eu aprendi a ler e escrever. Ela sempre me pedia para escrever muita redação.

RSE Informa: Como é estudar em uma escola salesiana? O que você mais gosta no seu colégio?

Alexandre: Ela é uma escola divertida, cristã e me ajuda a fazer muitos amigos. O que mais gosto do meu colégio é do aprendizado que ela me passa.

RSE Informa: Hoje, você recebe convites para falar sobre literatura na tevê e para crianças de outras escolas. Você acha importante falar da leitura para as outras pessoas? Por quê?

Alexandre: Sim, porque assim eu incentivo as outras crianças a ler e também a escrever livros.

RSE Informa: Você escreveu uma história sobre uma princesa que usa óculos e sobre uma princesa que tem bigode. Por que você decidiu criar princesas diferentes das princesas que estamos acostumamos a ver?

Alexandre: Para poder mostrar para as pessoas que ninguém é igual ao outro e que todos nós somos diferentes. E que todo mundo deve gostar de você como você é.

RSE Informa: Você acha que a literatura pode ajudar as pessoas a aceitar as diferenças? Como?

Alexandre: Sim, mostrando a elas que mesmo diferentes temos que manter o respeito, solidariedade e que o importante é gostar de si mesmo.

RSE Informa: Por que você decidiu escrever um livro sobre o bullying? O que você pensa sobre esse assunto?

Alexandre: Para ajudar minha amiguinha Maria Luisa que sofria bullying na escola. Eu penso que o bullying é uma coisa muito feia, desagradável e que ninguém tem o direito de desrespeitar o outro.

RSE Informa: Você está escrevendo algum livro novo? Sobre o que é?

Alexandre: Sim. Na realidade eu já escrevi outro livro, mas papai ainda não corrigiu, ele se chama “O santo do pau oco”, conta a história de um menino que vivia fazendo coisas erradas na escola e a professora nunca via. E o outro livro que vou escrever é sobre a leucemia de minha irmãzinha. Ainda não escrevi porque eu quero ver o final, só vou escrever se o final for feliz.

RSE Informa: Quais os seus planos e sonhos para o futuro?

Alexandre: Eu quero ser médico, pianista, mágico e escritor.

RSE Informa: Deixe uma mensagem para seus colegas da Rede Salesiana de Escolas. O que você falaria para eles sobre a leitura?

Alexandre: Meus amiguinhos, para vocês aprenderem a escrever livros como eu, vocês sempre devem fazer um pequeno resumo de qualquer história que vocês lerem. E sempre leiam e escrevam muito, para conhecer novas palavras e ter sucesso na vida.

RSE Informa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.