O cotidiano na espiritualidade salesiana

“Não há necessidade de separar-se da vida cotidiana para buscar o Senhor” (Dom Bosco).

O cotidiano é o desafio da vida, concreto e instigante, que se manifesta por meio de grandes contradições, tais como: opressão e liberdade, solidão e comunhão, instabilidade e segurança, violência e paz, fome e pão, tristeza e alegria, miséria e dignidade, ódio e amor, fé e descrença, e está presente na vida do jovem que busca estabelecer significados para sua existência.

Constitui também um conjunto de experiências e relações humanas, construído pessoal e comunitariamente, que pode permitir ao jovem encontrar Deus, realizar o seguimento de Jesus Cristo na iluminação do Espírito Santo, tendo como objetivo a definição de um serviço voltado para os seus semelhantes e a instauração do processo de salvação.

É no cotidiano que o jovem pode descobrir o Senhor da Vida. Pode descobri-lo na vida familiar, no trabalho, no lazer, enfim, nos fenômenos sociais que representam a rede de significados para o existir da pessoa humana. É nele que o jovem deve tecer seus projetos de salvação, mediado por uma série de ações educacionais e formativas. Na rede de significados é onde está presente o Senhor da Vida, que o projeto de Dom Bosco deve realizar-se para conduzir o jovem à verdadeira maturidade humana.

O cotidiano é para a espiritualidade salesiana um campo fértil para a materialização do seu carisma, porquanto é nele que estão os jovens, destinatários da salvação frente às urgências do Reino que está chegando.

 
O educador salesiano e a sintonia com o cotidiano

Para nós, educadores salesianos, estar em sintonia com o cotidiano é de fundamental importância. Nele viveremos lado a lado com a juventude, fazendo-a perceber que o motor de nossa ação, de nosso agir pedagógico e pastoral, é a presença de Deus e de seu amor em nossas vidas.

Esta percepção do Senhor da Vida é geradora de oportunidades riquíssimas para que o jovem desenvolva uma opção radical, madura, sensível pelo seu agir histórico; desenvolva uma vocação identificada com um real compromisso com o outro, com a justiça, a paz, a comunhão, o amor, enfim, com atitudes capazes de proporcionar uma abertura competente para a construção de homens novos, ou seja, a construção de uma sociedade que reflita o “Céu na Terra”.

Aprofundar a percepção da presença do Senhor da Vida no cotidiano é uma das mais importantes facetas da espiritualidade salesiana, uma das mais desejadas metas de qualquer comunidade educativa envolvida com o projeto operativo de Dom Bosco.

 
Exigências para a percepção do Senhor da Vida por parte dos jovens

Para que a percepção do Senhor da Vida constitua uma verdade, algo de fácil compreensão por parte dos jovens, devemos, em primeiro lugar, buscar a transformação da vida de nossa comunidade educativa, tornando-a profundamente evangélica, onde o proclamar-se cristão não represente um discurso vazio, de intencionalidades individualistas/personalistas e, sim, uma abertura às exigências práticas das Bem-Aventuranças e à Graça do Glorioso Nosso Senhor Jesus Cristo.

Em segundo lugar, precisamos aprofundar nossas reflexões e vivências sobre o Mistério da Encarnação, isto é, sobre a condição humana de Jesus, sua realidade histórica, postura de servidor na relação com o Plano de Deus para a humanidade.

As duas exigências irão, processualmente, servir de sustentação para a existência de uma nova comunidade educativa; com a finalidade do projeto operativo de Dom Bosco: a formação do “bom cristão e do honesto cidadão”.

 
A comunidade educativa como espaço vivo da espiritualidade salesiana

A comunidade educativa deve, inicialmente, acolher responsavelmente os jovens, respeitando suas individualidades, escutando suas necessidades, valorizando sua cultura e prestigiando a linguagem que envolve seus projetos de vida. Assim a comunidade educativa irá oportunizar diferentes caminhos na trajetória histórica da juventude. Tal postura com relação à materialidade da existência juvenil, do mundo jovem, será determinante para que, posteriormente, os educadores possam fazer a integração entre vida e fé.

É na comunidade educativa que o jovem terá oportunidades mais eficazes de, integrando vida e fé, cultivar os valores que determinarão uma personalidade sadia e integral. Uma personalidade capaz de torná-lo uma pessoa contemporânea, aberta aos desafios da realidade e agente das mudanças estruturais necessárias para a consolidação da sociedade desejada.

É na comunidade educativa, onde todas as forças envolvidas devem estar comprometidas com o repensar o EU frente ao OUTRO, redefinindo identidades e assentando novas relações para a salvação dos jovens, que a espiritualidade salesiana deve estabelecer:

– O diálogo constante entre a definição e consolidação de um projeto de vida e o cotidiano, a realidade juvenil.

– A busca do real sentido da vida, reduzindo toda experiência de solidão, anonimato, invisibilidade, individualismo e impessoalidade a uma expressão, sem valor, do cotidiano.

– A vivência da experiência de Deus, no seguimento de Jesus, para que todas as transformações que a sociedade necessita aconteçam e façam da vida uma “deliciosa prova” da eternidade.

José Augusto Abreu Aguiaré professor da Rede Salesiana de Escolas, no Instituto Nossa Senhora da Glória, em Macaé, RJ.

Para Boletim Salesiano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.