Santos Salesianos em novembro

No mês dedicado à memória de Todos os Santos, a FS recorda o Beato Artêmides Zatti SDB  e a Bv. Madalena Morano FMA.

13 de novembro: Bv. Artêmides Zatti

Para Artêmides Zatti, pessoa simples e de origens humildes, foi o Hospital o lugar para exercitar cotidianamente a sua virtude até ao heroísmo. Percorria de bicicleta toda a cidade, sem descuidar a periferia. Via em cada um dos seus pacientes “um pequeno Jesus” de quem cuidar com dedicação e amor. Enquanto pedalava, rezava; e ocupava com estudo e leituras ascéticas as poucas horas de descanso que lhe sobravam. Também quando ia descansar, ficava-se em permanente disponibilidade para qualquer eventual chamada.

Bem dito foi que o seu principal remédio era ele mesmo, com a sua atitude, as graças, a alegria, o afeto. Não queria simplesmente dar remédios, mas ajudar os pacientes a ver na própria situação um sinal da vontade de Deus, sobretudo quando a morte se lhes avizinhava. Não foi somente enfermeiro mas educador à fé de cada pessoa, no momento da prova e da doença. Um “bom samaritano” com o estilo de Dom Bosco, “sinal e portador do amor de Deus”.

A memória de Artêmides Zatti, de quem o Papa Francisco é um grande devoto, nos convida a promover a vocação do Salesiano Irmão, sem a qual a Congregação Salesiana não seria a que Dom Bosco pensou e fundou.

15 de novembro: Bv. Madalena Morano

Na Sicília, entre fins do XIX e inícios do século XX, a Ir. Madalena Morano FMA se alevanta por entre as figuras que mais contribuíram para a promoção humana e cristã do povo humilde. Seu segredo era uma grande fé em Deus, que lhe permitia levar para a frente uma febril atividade educativo-evangelizadora, catalisada por um projeto de santidade a ser difundida com todas as forças.

Intuiu claramente que a finalidade primeira de toda obra educativa consistia em favorecer o encontro com Deus, do que dependia também a qualidade da vida. Preocupava-se por que as suas coirmãs cultivassem o “espírito de oração”nas alunas. Dela disse uma educanda: “Quando rezava parecia um serafim, coisa que nos levava a imitá-la”.

Triste porque entre as jovens do povo havia ignorância religiosa, conseguiu licença para abrir um primeiro oratório, em S. Maria da Ajuda, e, em seguida, o da Paróquia de São Cosme. Por encargo do Cardeal Nava, a Madre Morano trabalhou nove anos na obra dos catecismos paroquiais, obra que ela chamava “a sua obra”.

O testemunho e a intercessão da Beata Morano aumentem entre os membros da FS o desejo de comunicar a alegria de ter-se encontrado com o Senhor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.